11 de janeiro de 2017

hsoul

Não confunda inovação, com invenção! Por: Rodrigo Quinalha

Porque não inovar em setores, áreas e produtos já existentes? Porque não aproveitar uma forte cultura de consumo em curso e remodelá-la ao seu negócio? Porque não aproveitar todo ciclo de aceitação, presença e evolutiva dos competidores existentes, para inovar sobre uma realidade já comprovada e real, mitigando seus riscos, tempo e dinheiro?

Algumas dessas questões, trago para instigá-los sobre o que vivencio diariamente em contato com empreendedores de novos negócios e Start Ups, muitos deles me procuram, em busca de mentoria, advisor e/ou investimentos/capital para tracionar mais rápido sua estratégia.

Até 2027, 75% das 500 maiores empresas serão extintas? O que acha desta previsão? Real, ilusória, catastrófica?

Com ideia potencialmente "milionária", mas com execução em formato "decimal"! Ao menos 70% das Start Ups, no Brasil seguem essa métrica
Para corroborar com esta visão: as últimas grandes inovações da década foram baseadas de forma muito prática e "pés no chão", com inovação e adaptação de setores, objetos, tecnologias, conceitos, mercados e modelos, já existentes. "Simplicidade" em resolver questões e necessidades reais do dia a dia!

Airbnb + 1,5MM de quartos disponíveis, sem possuir nenhum imóvel "próprio"

Uber +25.000 veículos disponíveis ("táxis"), apenas em NY, maior frota de veículos do mundo, sem nenhum carro "próprio"

iFood + 5MM de pedidos realizados, sem possuir um único restaurante/cozinha

Waze decretou a "morte" de quase todos os GPSs líderes existentes (TomTom, Garmin, entre outros) - vendido por mais de U$ 1 Bi ao Google

Nubank cartão de crédito sem anuidade e com uma abordagem digital (mobile) inovadora, desde o controle de gastos via APP e educação financeira - já avaliada em U$ 2 Bi

Essas empresas acima comprovam que para inovar não precisa ser complexo. Apenas se torna necessária a atenção ao dia a dia, aos problemas rotineiros que não foram pensados através de uma nova ótica ou perspectiva, com simplicidade, gerando impacto e adoção momentânea ao serem lançados ao mercado.

Um dos equívocos chaves, que percebo constantemente é quando empreendedores acreditam que a única forma de inovar é inventar algo, completamente novo ("do zero")- ruptura total ao sistema, visão de única mão para causar impacto.

Não quero dizer de forma alguma que a invenção (P&D), no seu sentido literal, não seja algo necessário e que não impulsione nossa sociedade, humanidade e empresas adiante.  Quero compartilhar de forma prática e empírica que na maioria das vezes, o seu capital intelectual e/ou financeiro ou até o seu mercado consumidor e competidores, não permitirão este tempo e espera, para atingir esta ruptura completa, muito distante do sistema/modelo atual, em curso. Ou seja, sua empresa nasce fadada a falência de tão complexo, intangível e longínquo é a comprovação do seu negócio, para se provar e gerar tração. A aposta fica mais difícil e de alto risco, a possíveis clientes e até investidores, pelas incertezas e obscuridades que seu negócio apresenta. Dezenas de Start Ups e empresas fecham suas portas, em virtude dessa estratégia míope e unilateral.

Ademais, abre-se uma nova era de domínio potencial das "Pequenas Empresas", pela sua ousadia e velocidade inventiva. Antigamente, apenas grandes organizações podiam lançar produtos inovadores ao mercado, com departamentos enormes de P&D e altos investimentos efetuados. Atualmente, vemos que pequenos negócios iniciam através da tecnologia suas revoluções e mudam o curso de enormes e tradicionais mercados, até pouco tempo atrás algo impensável.

A melhor forma é adaptar e inovar sobre GAPs existentes em modelos muitas vezes amplamente aceitos, sem questionamentos. Atingir uma "zona de conforto" do mercado, onde os empreendedores atuais não consigam enxergar além. Seja visionário, antes de ser um inventor. Sendo visionário, você pode atingir uma gama de necessidades de forma assertiva, muitas vezes maior que apenas uma invenção isolada, de algo completamente "novo" sem correlação com necessidades e anseios reais do mercado.

A inovação está na simplicidade. Seja simples, prático e inventivo! Seguindo a máxima: erre rápido, erre barato e aprenda mais rápido ainda!

Reflita e pense sobre isso. Boa sorte e sucesso!


Rodrigo Quinalha.
Co-Fundador HSoul
rodrigo.quinalha@hsoul.com.br